01 de Junho de 2011

 

Se houve momentos marcantes nas actividades promovidas pela nossa Biblioteca Escolar, durante este ano lectivo, a acção de sensibilização para a poesia, subordinada ao tema “Ah! Isto é que é poesia?”, dinamizada pelo formador Filipe Lopes do grupo “O Contador de Histórias, sediado em Tomar, merece, de facto, uma posição de destaque.

A capacidade de comunicação do orador aliada a uma selecção cuidada dos textos utilizados e à declamação magnífica que fez de cada poema, marcaram de uma forma extraordinária todos os que tiveram o privilégio de participar nesta actividade, que se repartiu por duas sessões, envolvendo turmas dos 10º, 11º e 12º Anos.

Filipe Lopes começou por tirar partido daquilo que os jovens mais gostam – a música, as canções e o amor – para despertar neles o prazer da leitura e, em especial,  o prazer da poesia. Depois de estimular a participação voluntária dos alunos levando-os a criar as suas própria definições para conceitos como Poesia, Poema e Poeta conseguiu que alguns deles fizessem leituras mais ou menos expressivas de alguns poemas, para todo o auditório.

Além disso, o orador procurou contrariar a ideia vulgar de que um poema é um texto difícil de ler e de entender e fê-lo de forma magnífica quando mostrou que um poema pode nascer de palavras e frases banais, bastando apenas que elas tenham a virtude de nos fazer sentir alguma coisa quando as lemos ou ouvimos. E para que esse despertar de sentimentos seja mais conseguido, realçou a importância do tom de voz, do ritmo e da entoação que damos à leitura de cada palavra de um poema e também às pausas ou momentos de silêncio.

Se a poesia serve para sentirmos alguma coisa, como defendeu Filipe  Lopes, o seu objectivo foi perfeitamente alcançado quando declamou vários poemas entre os  quais destacamos, pela expressividade  que lhe imprimiu , o poema de Eugénio de Andrade, Adeus:


Já gastámos as palavras pela rua, meu amor,

e o que nos ficou não chega

para afastar o frio de quatro paredes.

Gastámos tudo menos o silêncio.

Gastámos os olhos com o sal das lágrimas,

gastámos as mão à força de as apertarmos,

gastámos o relógio e as pedras das esquinas

em esperas inúteis.

Meto as mãos nas algibeiras

e não encontro nada.

Antigamente tínhamos tanto para dar um ao outro!

Era como se todas as coisas fossem minhas:

quanto mais te dava mais tinha para te dar.

Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes!

e eu acreditava.

Acreditava,

porque ao teu lado

todas as coisas eram possíveis.

Mas isso era no tempo dos segredos,

no tempo em que o teu corpo era um aquário,

no tempo em que os meus olhos

eram peixes verdes.

Hoje são apenas os meus olhos.

É pouco, mas é verdade,

uns olhos como todos os outros.

Já gastámos as palavras.

Quando agora digo: meu amor...,

já se não passa absolutamente nada.

E no entanto, antes das palavras gastas,

tenho a certeza

de que todas as coisas estremeciam

só de murmurar o teu nome

no silêncio do meu coração.

Não temos já nada para dar.

Dentro de ti

não há nada que me peça água.

O passado é inútil como um trapo.

E já te disse: as palavras estão gastas.

Adeus.


Também a leitura  do poema de José Luís Peixoto tocou  profundamente  no coração de todos os que participaram nesta sessão:

 

Na hora de pôr a mesa, éramos cinco:

o meu pai, a minha mãe, as minhas irmãs

e eu. depois, a minha irmã mais velha

casou-se. depois, a minha irmã mais nova

casou-se. depois, o meu pai morreu. hoje,

na hora de pôr a mesa, somos cinco,

menos a minha irmã mais velha que está

na casa dela, menos a minha irmã mais

nova que está na casa dela, menos o meu

pai, menos a minha mãe viúva, cada um

deles é um lugar vazio nesta mesa onde

como sozinho. mas irão estar sempre aqui.

na hora de pôr a mesa, seremos sempre cinco.

enquanto um de nós estiver vivo, seremos

sempre cinco.

 

Seguiram-se muitos outros  poemas, uns mais sérios, outros mais divertidos, não faltando a ironia e até mesmo o “nonsense” que causaram alguns bons momentos de riso entre os participantes. Poder conhecer e apreciar os textos de  muitos e variados autores entre eles: Baudelaire, Camões,  Florbela Espanca, Jorge de Sousa Braga, Natália Correia, Mário Henrique Leiria , Carlos Drummond de Andrade e António Lobo Antunes, foi uma oportunidade bastante enriquecedora e estimulante para todos.

 E porque esta actividade nos proporcionou muitos e bons momentos de poesia, felicitamos o dinamizador por todo o trabalho que desenvolveu. Mais do que um espectáculo, esta acção foi uma lição de vida que Filipe Lopes conseguiu transmitir. Citando Boudelaire,  levou os nossos jovens a reflectirem sobre o  valor que a poesia pode ter nas suas vidas  e quão importante é saber fazer boas opções, saber “embriagar-se” não com vinho ou outras dependências, mas com a poesia, “ com os livros e com virtude”.

Mais do que um “contador de histórias”, Filipe Lopes revelou-se um notável encantador de pessoas. PARABÉNS!

 

Para mais informações sobre este grupo visite:

http://www.ocontadordehistorias.com/

  

 Algumas fotos da actividade:

 

 

 O dinamizador - Filipe Lopes

 

 

 O dinamizador e alunos participantes

 

 

 O auditório atento e interessado

publicado por António Oliveira às 23:24

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

3 seguidores
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Junho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


arquivos
2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2008:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2007:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


tags

todas as tags

links
subscrever feeds
blogs SAPO